sábado, 14 de fevereiro de 2015

ROSA ASSASSINA CAP-2

Os dois prosseguiram em silêncio. Foi uma duradoura viagem até chegarem a um lugar próximo aos Picos de Neve, não importando o clima os picos montanhosos que podem facilmente ser vistos de lá sempre tem uma cobertura branca de neve.
Caminharam até uma clareira, ao avistarem um lobo pardo que imediatamente arreganhou os dentes para eles, os dois amigos se curvaram, pondo os bebês no chão. Aku foi quem falou, evitando contato visual com seu ouvinte:
- Viemos em paz. Sou um velho conhecido de seu líder  Por favor, poderia falar com ele um minuto?
- O nobre Terian não está no momento. O que deseja falar com ele?
- Essas crias foram encontradas por mim e meu parceiro em patrulha...nossa alcatéia não os aceitou...
- Então por que nós os aceitaríamos?
- Ou aceitam ou as esperanças direcionadas a eles acabam aqui! Morrerão em breve se não acharmos uma alcatéia que os aceite!
O lobo bufou, pediu que aguardassem enqunto adentrava em uma espécie de mato alto. Ao voltar não estava sozinho. Vinha ao seu lado o líder, um lobo acinzentado com várias cicatrizes pelo corpo todo e um olhar penetrante e dois outros integrantes da alcatéia, provavelmente para defender seu líder caso ocorressse qualquer conflito.
Ao avistar Aku, sua expressão de nobreza mudou-se:
- Compadre Aku! - seus musculos relaxaram, sua cauda abanava quando ele se aproximou, visivelmente alegre por reencontrar o amigo - Quanto tempo que não nos vemos!
Tau parecia não compreender o fato de o amigo ter relações com membros de outra alcatéia. Isso seria inaceitável na visão de seu tio. Aku, porém, parecia não querer esconder nada do amigo:
- Terian, meu chapa. Como anda a família?
- Precisa ver como meus filhos cresceram! Aprendem as lições muito rápido! O que trazes consigo meu camarada? - Alegou apontando com o focinho para os dois filhotes que, a essa altura, já tremiam de fraqueza.
- Nem te digo, encontrei estas indefesas criaturas ao lado do cadáver de sua mãe. Os pobres coitados mal tem forças para levantar uma pata e necessitam de alimento e abrigo...foram cruelmente rejeitados por nosso próprio sangue...por acaso sua alcatéia os aceitaria?
Terian aproximou-se cuidadosamente dos filhotes, examinou e cheirou-os:
- Não possuem o cheiro de alcatéia alguma...
- Sim. - disse, por sua vez, Tau - Não possuem sequer cheiro ou qualquer coisa que possa nos dar alguma pista de onde vieram. A mãe deles possuia vários cheiros confusos e só nos disse uma coisa ao morrer...algo sobre a noite...determos a noite ou então...
- Serão bem aceitos em minha alcatéia! - Disse Terian sorrindo, cortando a frase de Tau - Não há um pedido sequer feito pelo meu grande amigo Aku que eu não aceite com um sorriso no rosto!
Terian pegou os dois filhotes na boca. Tau, por sua vez, se calou! Era realmente impressionante ver um líder de tão bom humor quanto Terian:
- Eu agradeço, amigo. - disse Aku, fazendo uma reverência - E aposto que, quando crescerem, estes dois também lhe serão gratos por salvar-lhes a vida. Sinto muito se a situação lhe estabelece alguns esforços extras...
- Esforços? - Terian soltou uma gargalhada abafada para que os filhotes em sua boca não caíssem - Meus filhos vão adorar novos brotos para brincar! Não poderiam ter vindo em melhor hora.
- Sua loba não verá problemas? - perguntou Aku
- Claro que não! Ela ficará feliz em amamentar mais dois - e olhando pro céu acrescentou - Acho melhor voltarem para sua alcatéia! Se eu o conheço bem, Yang vai se enfurecer com o sumiço de vocês!
- Ele tem razão Tau, vamos! Até mais amigo!
- Cuidem-se!
E então seguiram para seus caminhos, Terian deu meia-volta e seguiu, feliz, até sua gruta. No caminho passou por lobos brincando de luta e correndo uns atrás dos outros. Alguns paravam para observar o líder e os filhotinhos dourados na boca.
Olhando para a alcatéia animaxa ao redor, Terian soltou um suspiro silencioso...graças aos deuses eles nunca mais tiveram problemas com os assassinos das Terras Abandonadas. Não fazia a menor idéia de como reagiria se, assim como seu pai, liderasse uma trupe de lobos desesperados por suas vidas em meio a um desastre como o que ocorreu na época, o desastre que tirou a vida de sua mãe e irmãos!
Assim, com o pensamento no ar, ele entrou na gruta. Lá dentro o ar estava úmido e sua esposa alimentava seus três pequenos filhotes:
- Terian - o líder aproximou-se da loba e os dois trocaram toques de focinho - O que os forasteiros queriam com você? E o que traz contigo é minha comida?
- Não eram forasteiros querida, era um velho amigo meu...o que trago são pequenos brotos...que não tem onde ficar! Você poderia...
O rosto da doce loba se abriu em um sorriso:
- Já sei aonde quer chegar! Você tem mesmo um coração de ouro! Não vejo porquê não os aceitaria pra mim!
Terian sorriu e entregou os filhotes para perto da nova  mãe. Os dois logo se arrastaram para perto dos outros pequenos e começaram a mamar desesperadamente:
- Pobrezinhos, estavam famintos - ela lambeu docilmente a cabeça do menino - acho que não aguentariam por mais tempo!
Terian deitou-se perto da esposa e filhos e lambeu a testa da amada.
Ali o líder se deitou e adormeceu rapidamente. Parecia estar tudo perfeito...mas mal sabia ele que essa perfeição logo iria acabar!
-------------------------------------
CONTINUA...

2 comentários:

  1. É como diz o ditado:A calmaria vem antes da tempestade....Muito boa essa história...

    ResponderExcluir